domingo, 22 de abril de 2012

Sobre a Arte de Viver

- Olhei nos olhos de minha avó e vi, de repente, as horas, os minutos e segundos, que ela deveria ter passado sozinha, naquele quarto. Horas de solidão, que fizeram meu coração doer de culpa e tristeza.
- E o que você irá fazer para mudar isso, Clara ?
- Sabe o que eu acho ? A velhice é para poucos...A juventude para menos ainda...E a infância, para nenhum de nós...
-Por que a infância para nenhum de nós ?
- Porque se poucas pessoas sabem envelhecer, menos ainda aproveitar de modo  consciente a juventude, não seria a infãncia, a época de querer realmente saber quem somos ? E no entanto, as crianças de hoje só querem crescer e tornar-se adulto...
- Você era assim também, Clara ?
- Sabe, estou pensando na minha avó agora...Pensando que além de culpa e tristeza, senti medo também..Medo de na velhice, não saber ver...
- Ver o que ?
- O que agora eu apenas olho...
-  E sentir ? O que você sente ?
- Eu não sei...Quanto mais eu tento entender meus sentimentos, menos eu vejo...Por isso, não tento entendê-los, e sim, guiá-los...
- Está bem, preciso ir Clara...Tchau.
- Tchau, Glauco...Boa noite...

                                                                                              Angélica Medeiros Cunha, 22.04.2012

Um comentário:

R. disse...

Oi Angelica.
Desculpe por não escrever antes...
Gostei de suas ultimas cronicas, são bem interessante esta ultima abordou o tema da velhice e medo do tempo, assuntos abordado e discutidos pela humanidade a muito tempo.
Vejo que ainda possui interesse por retratar oposto na suas cronicas, acho isto bem interessante como atributo de escritora.
Ate mais...