quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

Prazer e Tédio

Um minuto bastou. Teus olhos : duas serpentes verdejantes a burilar na minha alma, um rastro de desejo e perdição. Bastou teus olhos para a fonte de desespero e medo, voltar a jorrar de meu coração.
E como um rato, hipnotizado pelos teus olhos de serpente dura e fria, me entreguei, ao medo, ao desespero, que no âmago de minhas expectativas, tornara-se natural e necesário e pequenos momentos de prazer, retirados da dor de saber-se incapaz diante de seu poder.
Mas não pense que te amo. Nunca amei nem amarei. O que existe, é sim, uma vontade louca de ser torturado por ti. De dever ao pouco que lhe roubo, as horas imaginando seus olhos, sua boca, seus seios fartos que gostaria de tocar.
Quando não me entrego a seu domínio, choro e rio, porque criança que sou, não satisfiz meus desejos, e a risada, é porque sou orgulhoso e não sei perder.
Apesar de te odiar cada vez mais, gostaria de conhecer sua bondade e capacidade de tolerar idiotas como eu. Gostaria de reconhecer que em suas mãos, minha raiva se acalmaria e quieto, humilde e com o coração batendo forte, encontraria a liberdade que só o desejo satisfeito é capaz de proporcionar a um animal torpe feito eu.
Sábado espero ver-te, sentada, com a mesma blusa azul e rosto indiferente.
Espero não ser descoberto. É melhor assim.
Melhor para nós dois.
Estímulo e loucura.
Prazer e tédio.
Esquecimento.
Angélica Medeiros Cunha, 03.12.09

3 comentários:

Alta Walker disse...

oie moça linda,
pra variar com olhar de assustada,
adorei o seu blog.

grande beijo,

Anônimo disse...

wow! vc escreve mto bem! ;*

Angélica Medeiros disse...

Tava relendo aqui. Você publicou sobre o meu chifre.
Legal, dona Angélica.